OMB - CRESP
A ORDEM DOS MÚSICOS INCENTIVA E APOIA A CRIAÇÃO DE CENTROS CLÍNICOS PARA ATENDER OS MÚSICOS

Por: Dr. Alexandre de Alcântara


A ideia da criação de um centro clínico, que atenda às necessidades de prevenção e tratamento relacionados à saúde ocupacional do músico, surgiu das inúmeras conversas com pacientes músicos, em meu consultório, que além da preocupação odontológica, traziam queixas dos diversos males que os acometem, a exemplo da perda auditiva, dores nos pulsos, nas costas, no pescoço, dificuldades com a visão, alterações na voz depois do estudo e/ou apresentação, entre outras complicações. Em meio às queixas, a mais comum, reside no fato da diminuição das horas de estudo devido à manifestação dos desconfortos acima citados, ocasionando prejuízos à técnica e, consequentemente, à performance. 

Percebi que a integração de vários profissionais das diversas áreas da saúde, comprometidos em entender o músico em suas necessidades, promovendo um melhor desempenho do exercício profissional musical, teríamos um paciente muito melhor atendido.

Assim, a ideia foi crescendo, primeiramente na minha área (odontológica) e depois, por intermédio da vice-presidente da OMBSP, conheci a Dra. Raquel Malara Dell’Acqua, mestre fonoaudióloga, focada no atendimento a músicos. Juntos, começamos a formar uma equipe multidisciplinar, com duas fisioterapeutas, uma oftalmologista, uma nutricionista, uma cardiologista, dois cirurgiões-dentistas, sendo um deles proprietário de laboratório protético, e ainda temos mais alguns profissionais que estão em fase de entendimento do projeto, com grande probabilidade de adesão ao mesmo.

Apresentamos esta ideia a OMBSP, e o Presidente Roberto Bueno prontamente se prontificou a nos ajudar a encontrar um modo de tornar este projeto uma realidade.

Estamos apresentando este projeto às autoridades das esferas federal e estadual, para além da ajuda a construção do centro clínico, apoiar a nossa intenção de levar a especificidade do atendimento aos músicos à grade curricular do profissional da saúde.

Vale lembrar que o tema “saúde” é uma questão de ordem pública nacional. A nossa intenção não é que a saúde mude para atender o músico, e sim, que a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho compreenda que no exercício profissional do músico, também existem riscos específicos à sua saúde e, por conseguinte, estenda à categoria os benefícios legais oferecidos a outros trabalhadores, uma vez que tais profissionais desenvolvem doenças ocupacionais que precisam ser tratadas de formas diferentes.

A construção de um centro clínico necessitará de um ambiente clínico compatível com as exigências dos órgãos que controlam a saúde no país, e uma vez concretizada a criação de um, conseguiremos construir novos centros espalhados por todo o país.
Ademais, atrairíamos para o país, o interesse de profissionais da saúde e da música, bem como pacientes de outros países e elevaríamos ainda mais o nome de nosso país, com a ousadia brasileira de fazer diferente e melhor.

REFLEXÕES SOBRE A SAÚDE OCUPACIONAL DO MÚSICO
Por: Raquel Malara Dell`Acqua – Fonoaudiologa, Mestre (CRFª 12.213).

 
Imagine que você, Músico, está na melhor fase da sua carreira. Reconhecido internacionalmente e, portanto está sendo convidado para fazer uma série de shows por todo o mundo. Contudo, no meio da sua turnê internacional, suas mãos simplesmente não obedecem mais os seus comandos. Ou então, suas costas doem tanto que você mal pode andar até o teatro, ou você não consegue mover seu pulso de tanta dor.

Parece distante, mas situações como essas são corriqueiras na vida dos grandes músicos. Esses são apenas alguns exemplos. A questão é que o exercício profissional da Música exige demais do corpo. São horas e horas de dedicação ao estudo individual ou coletivo, uma mesma peça é tocada "mil vezes" até que tudo esteja perfeito. Os movimentos repetitivos, a exposição constante a intensidade sonora alta, a postura exigida pelo instrumento, o peso do instrumento, etc, são fatores que causam desconforto e até lesões ao corpo do músico.

Tais ocorrências podem prejudicar acentuadamente a carreira do profissional Músico. Se ele tem um desconforto e precisa diminuir o tempo de estudo por isso, ele regride na técnica e na performance comprometendo sua carreira.

Até então, essas questões não eram valorizadas nem pelos músicos e nem pelos profissionais de saúde, no entanto, essa realidade vem mudando a cada dia. Hoje já temos profissionais médicos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, dentistas, psicólogos, etc. trabalhando pela prevenção de ocorrências ocupacionais nos profissionais Músicos.

Atualmente a Ordem dos Músicos do Brasil – Conselho Regional do Estado de São Paulo, vem lutando pela implantação de um Centro Clínico especializado ao atendimento dos Músicos devidamente inscritos. Brevemente o Músico brasileiro contará com essa novidade.

Por hora, ficam algumas dicas para a prevenção de lesões odontológicas, auditivas e vocais.

DICAS PARA A PRESERVAÇÃO DA SAÚDE AUDITIVA E VOCAL


•Não ouça música em alta intensidade por mais de uma hora seguida por dia.
•Em caso de ensaios longos com bandas grandes, utilize tampões auriculares de filtro linear.
•Lembre-se de higienizar suas mãos antes de manusear seus fones ou tampões auriculares.
•Realize exames audiômetros e de emissões fotoacústicas anualmente.
• Escolha lugares silenciosos e sem eco para estudar seu instrumento.
• Procure não agredir suas pregas vocais:
  • Não grite
  • Não pigarreie
  • Faça sempre um bom aquecimento vocal antes de cantar
  • Não cante fora da sua classificação vocal
  • Reavaliei a sua classificação anualmente
  • Procure não consumir álcool antes ou durante suas apresentações e ensaios
  • Lembre-se que fumar agride com toxinas e temperatura alta as suas pregas vocais
  • Faça refeições leves antes de utilizar a voz para evitar que o suco digestivo queime suas pregas vocais (azia)
  • Faça um exame de imagem da sua laringe anualmente (nasofibrolaringoscopia)

SAÚDE OCUPACIONAL DO MÚSICO
Drª Raquel Malara Dell' Acqua - Fonoaudióloga e Mestre pela USP realiza uma palestra voltada à Saúde Ocupacional do Músico.


Foi professora da Faculdade Evangélica de Salvador (BA) no curso de graduação em música durante 5 anos. Nesse período iniciou sua pesquisa e atuação na área de Saúde Ocupacional para Músicos

Hoje é professora da Escola superior de Artes Célia Helena e fonoaudióloga, realiza atendimentos e oficinas na Ordem dos Músicos do Brasil - Regional de SP, vem ministrando palestrar em Instituições importantes como o Conservatório Souza Lima e a Universidade Federal da Bahia acerca desse tema tão relevante.
Atualmente junto com uma equipe multidisciplinar procura ampliar a atenção especializada na saúde do Músico no Brasil.

DICAS PARA O MÚSICO SOPRO –INSTRUMENTISTA
Por: Dr. Alexandre de Alcântara (CROSP 51.770)


•Tirar uma radiografia no formato panorâmico antes de consultar o cirurgião-dentista
•Pedir para que sejam feitas cópias dos seus dentes em gesso para possibilitar o estudo da embocadura antes e após o tratamento odontológico
•Fazer anualmente ou em intervalos regulares uma limpeza de tártaro
•Levar o bocal, boquilha ou todo o instrumento para que o cirurgião-dentista entenda o que é a embocadura
•Colaborar com o cirurgião-dentista explicando como é feita a pressão do bocal (boquilha, palhetas) sobre os lábios e dentes
•Manter adequada higiene bucal
•A visita regular ao dentista faz com que ele faça o diagnóstico precoce dos problemas bucais, fazendo com que o tratamento seja mais rápido e eficaz.
•Fazer autoexame bucal  regularmente
•Trocar escovas a cada dois ou três meses e de preferência com cerdas macias.
•No caso de ortodontia, discutir todas as técnicas disponíveis para fazer um aparelho que não interfira no exercício profissional.

Odontologia para sopro-instrumentistas

Drº Alexandre de Alcântara - Vencedor do prêmio MAILLEFER de incentivo de Endodontia da UNICID (1992), autor do livro "O Cirurgião Dentista Frente à AIDS", editor Pancast (1996), atuante como Cirurgião-Dentista de Músicos Instrumentistas de Sopro (1995 a 2012). Descendente da família Alcântara, realiza palestras voltadas para sopro-instrumentistas, onde revela conhecimentos teóricos e experiência clínica nas  seguintes disciplinas:

Radiologia Bucal;
Prótese (Parcial fixa e Parcial removível);
Dentísticas Operatória e restauradora;
Cirurgia Oral Menor;
Endodontia;
Diagnóstico Bucal e Implantodontia Básica.